Home / Colunistas / Ano acabando e mãe surtando

Ano acabando e mãe surtando

O Matheus está com três anos e meio. Entrou naquela fase onde começa a ter uma vida social que, por várias vezes, é mais agitada que a minha. São aniversários dos colegas da escola, dos filhos dos amigos, da turma do condomínio, da galerinha da natação… Esse está sendo de longe o final de ano mais tumultuado da minha vida.

Se não bastasse os inúmeros compromissos, ele começou a entender melhor tudo que envolve o Natal. Pede para ir no shopping falar com o Papai Noel e encaramos horas e horas de fila para dois cliques. Vê as casas enfeitadas e quer aquela árvore gigante toda emperequetada na nossa sala. Me acompanha nas compras de final de ano e aproveita para fazer uma lista sem fim do que quer de presente. Já entende que todos os lugares que frequenta tem algum evento de final de ano e quer fazer parte disso. Se não bastasse, tenho a impressão que todo mundo fica um pouco mais agitado nessa época pré-natalina. Tentamos fazer nas semanas de dezembro o que nos fizemos nos últimos 11 meses. Por todos os lados, é gente correndo sem parar.

Parece que todos estão querendo resolver a vida inteira em poucos dias como se o mundo fosse acabar. Vendo tudo isso, quando me dou conta, estou bem no meio da loucura. Decido castrar o nosso cachorro, fazer revisão do carro, separar fotos para revelar, mudar a decoração da casa, arrumar os guarda-roupas, organizar os armários da cozinha, fazer exames médicos de check-up na família inteira… Isso sem falar nas coisas que tenho que adiantar para conseguir sair de férias no trabalho.

Adivinhem o resultado de tudo isso?

Estou SURTANDO!!!

Não sei qual o motivo mas depois que me tornei mãe, tenho a sensação de que preciso fazer tudo para ontem! Não consigo ficar parada. Vou me impondo tarefas sem fim mesmo sabendo que não conseguirei fazer. Eu mesma me tirei o meu direito a não fazer nada. Nem sei nem explicar como isso aconteceu… Algumas mães sentem a necessidade de abraçar o mundo. Eu me incluo nesse grupo. Quando me dei conta, estava sentada em um consultório médico, com a coluna travada e pegando na mão uma receita de remédio para dormir, entre outras coisas. Eu me lasquei. Estou sendo obrigada a desacelerar e tô percebendo que o mundo não vai acabar por isso.

Todos irão sobreviver as pequenas tarefas que serão adiadas, aos compromissos que não irei e a pilha de louça suja que vou deixar para lavar a amanhã.

E que venha 2018 mas um ritmo lento, por favo

Sobre Paloma Bueno

Paloma Bueno é escritora, produtora e criadora do projeto Filhos.com. Atualmente tenta dividir o tempo entre o trabalho como coordenadora de produção na RedeTV, os cuidados com a casa, o principal papel de todos, que é ser a mãe do Matheus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Para topo
fritter.19@mailxu.com