Home / Colunistas / As férias malditas

As férias malditas

Existem títulos que minimizam uma expressão exata ou até chegam perto do que realmente significa. É inadmissível na primeira semana de aula receber notícias tão apavorantes como o suicídio de um adolescente e ser notificado de cartas de despedidas deixadas por um outro adolescente a mãe e aos amigos na escola.

BALEIA AZUL?

Para ser bem sincero não acredito no jogo, mas, acredito nos encorajamentos. O que as pessoas procuram é alguém que os apoie e os incentive, ainda que seja algo anormal, insistem e aspiram aquilo como benção até parecer normal.

A proposta do título desta coluna é pararmos para pensar um pouquinho. Se é nos primeiros dias de aula que tudo está se degringolando, o que houve durante as férias? Como deve ter sido o relacionamento familiar neste período?

As pessoas procuram fora de casa aquilo que não encontram dentro. A desestrutura familiar é a maior responsável por tudo isso, mas, as atitudes são as mais importantes, no entanto, a paciência deu lugar a impaciência, a tolerância deu lugar a intolerância, e assim sucessivamente. O diálogo deveria ser a única ou última possibilidade de alívio para uma alma perturbada, contudo, a individualidade faz com que as pessoas se tornem solitárias mesmo tendo muitas pessoas ao seu redor ou diante dos milhares de amigos virtuais.

Ora, o que realmente me intriga é o desamor. Como podemos achar ou até mesmo dizer que amamos se não correspondemos ao mínimo do que significa o amor? Cuidado, atenção, proteção, zelo, ensino, dialogo entre outros fazem parte integrante ou intensa do que é amar. Reciprocidade é o mínimo que se espera, mas, como esperar reciprocidade daquilo que não se dá?

Eu tenho batido na mesma tecla em todas as minhas colunas e chamando a atenção para os cuidados e atenção com a família e aos filhos. A gente acha que isso nunca acontecerá conosco. Resgatem os bons costumes, participe da vida dos filhos, ouçam músicas juntos, naveguem na internet juntos, joguem vídeo game juntos, coloque o tapete com estradinhas no chão e encha de carrinhos e brinquem juntos… a atenção e o amor que você investir fará toda a diferença. Porque quando não fazemos isso o traficante faz, o aliciador, a prostituição, a sedução pela fama, entre tantas outras coisas.

Cuide de sua família porque ela é o seu bem mais preciso. No fim, este é o seu legado. Uma vez que não levaremos nada desta vida, podemos encaminhar nossa família em segurança para mais perto de Deus e das coisas boas desta vida, honestas, íntegras e esperançosas. Ame com atitude!

Excelente dia e que seja muito abençoado!

Sobre Gilson Biondo

Conselheiro Tutelar e é palestrante em todo Brasil sobre Promoção, Prevenção e Garantia de Direitos na área da Criança e do Adolescente, mas, tem formação como Psicanalista Clinico, Administrador de Empresas, Bacharel em Teologia e é Escritor de 37 livros. No terceiro setor atua como Diretor-Conselheiro voluntário na ACM (Associação Cristã de Moços), como Diretor Social e Cultural voluntário da APFESP (Associação Pró-Família do Estado de São Paulo) e tem um projeto humanitário e evangelístico nos 32 vilarejos mais pobre do Brasil no sertão brasileiro. Para entrar em contato com ele: www.gilsonbiondo.com.br ou www.facebook.com/gilsonbiondo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Para topo
sumida miao-carol@mailxu.com