Home / Colunistas / Baleia azul: O jogo do suicídio que já chegou em nossa cidade

Baleia azul: O jogo do suicídio que já chegou em nossa cidade

Em meados de Fevereiro de 2017, diversos sites da língua inglesa começaram a divulgar um misterioso “Jogo do Suicídio” que teria levado mais de 130 jovens a cometerem suicídio na Rússia. Embora esse jogo, ou desafio, possa ser conhecido por outros nomes, o mais comum e o que se tornou mundialmente famoso é Blue Whale ou Baleia Azul em português.

O Jogo recém-chegado ao Brasil vai colecionando adeptos e já está triunfando. Casos de suicídios e muitas tentativas vão sendo registrados em todo país. Lamentavelmente muitos pais nem sabem o que significa o tal jogo e nem se atentam para o problema que pode estar acontecendo dentro do seu próprio lar e com seus próprios filhos.

O Jogo tem 50 desafios que o adepto tem que executar e segue algumas regras assustadoras que a princípio achamos que ninguém seria capaz de seguir. No entanto, o perigo é eminente, principalmente pelos desafios que são propostos e as ameaças no caso de desistência. Os desafios são cruéis e implacáveis, se inicia com desenhos no corpo feitos com laminas, cortes, subir em lugares altos e permanecer por tempos a sua margem, assistir filmes e ouvir músicas psicodélicas que tratam sobre terror, maldade, assassinatos e suicídios, fazer inimizades e por fim o ultimo desafio é tirar a própria vida. Tivemos no país vários casos confirmados de que os suicídios foram provocados pelo tal jogo e que temos diversas crianças e adolescentes aderindo cada vez mais ao jogo diabólico.

Neste último final de semana recebi de uma diretora de escola (preservarei o nome para evitar represálias) uma mensagem no whatsapp preocupada, porque uma de suas alunas mostrava fortes indícios de que estava participando do jogo. Quando fomos averiguar e confirmar a informação ficou evidente de que realmente se tratava de uma adolescente adepta ao jogo. Infelizmente, mal começou a semana e recebi várias mensagens de que há adolescentes praticando o jogo em diversas esferas da nossa cidade. Recebi a mensagem de um amigo, o poeta Antônio de Araújo pedindo uma coluna sobre este alerta tão importante para a nossa cidade, uma vez que se sente muito preocupado com as nossas crianças. Coincidentemente havia conversado com a Gestora da APFESP (Associação Pró Família do Estado de São Paulo) Silvia B. Queiroz, sobre uma nova palestra que desenvolvemos no tema: Drogas, Jogos, Desafios e suicídio na Adolescência para esclarecer e trabalhar na prevenção destes males. Também tenho só elogios a ACM (Associação Cristã de Moços), pois, conversando com uma grande líder e amiga Vanessa disse que está muito preocupada com o assunto.

Refletindo muito sobre o assunto e, remoendo, chego a pensar… Quem em sã consciência entraria em jogos como este? E curiosamente me lembrei dos tantos jovens que me procuraram após as palestras para se aconselharem e pedirem orientações. O curioso é que muitos deles se cortavam, muitos usavam drogas, outros, sofreram maus tratos, abuso e algum tipo de violência. Por fim, estavam em estágios de depressão e anulação. Pessoas assim aspiram a morte como benção por não saberem e não conseguirem lidar com os milhões de sentimentos que se deparam todos os dias.

Acontece que a depressão é uma doença que mata aos poucos e silenciosamente, então, sugiro que a nossa preocupação esteja no jogo sim, contudo, precisamos nos voltar ao que mais interessa “prevenção”, alerta e cuidados com possíveis jogadores em potencial. O jogo fez um alerta geral em diversos países, mas, não podemos nos esquecer de que o Brasil é o 8° no ranking dos países que mais comete suicídios e que teve um aumento de 30% nos últimos anos? A cada 40 segundos um jovem comete suicídio no mundo? Em Osasco no final do ano passado tivemos três casos de suicídios de adolescentes num intervalo de 30 dias, será que ninguém quer enxergar?

Uma série lançada recentemente na Netflix Os 13 Porquês (13 Reasons Why) está sendo uma das series mais assistidas pelos jovens. Conta a história de uma adolescente que aos 17 anos enfrenta assuntos tão complicados como bullying, depressão, sexualidade, estupro, abuso de álcool e não sabendo lidar com os sentimentos, se suicida, mas, antes deixa registrado os 13 porquês da sua atitude e explica para cada um dos que contribuíram para sua morte a sua devida influência. Curiosamente a série contribuiu com um aumento de 445% de pedidos de ajuda por parte de crianças e adolescentes que se identificam com o caso e se veem na mesma situação. Será que estamos mesmo nos enganando e achando que tudo está bem?

NÃO! Não está nada bem, tem pais que estão ocupados demais para notarem isso acontecendo dentro de sua própria casa. Outros preocupados com sua satisfação ou seu bem-estar vivem como se não tivessem responsabilidades. Outros ao se decidirem divorciar usam as crianças como moeda de barganha e cometem todo tipo de atrocidades e alienação parental confundindo a cabeça da criança que carregará isto para toda a vida. Abandono familiar, crianças desassistidas na escola, a falta de planejamento familiar, as drogas licitas e ilícitas e a grande inversão de valores.

As nossas crianças e adolescentes imploram por atenção, mas, o mundo virtualizado que nós criamos quebrou o elo mais importante que tínhamos, “o diálogo”. Eles pedem o carinho, a atenção, os cuidados, a presença, o relacionamento e o amor dos pais. Ame enquanto é tempo! E a dica é – avalie mudanças no comportamento dos seus filhos, conheça os amigos, veja o ambiente e o lugar que frequentam, ouça e analise as músicas que ouvem, se coloque no lugar dos filhos, visite a escola, averigue suas pesquisas de internet e mantenha sempre um bom relacionamento. Sendo bem redundante “Ame enquanto é tempo” e não permita que seu filho (a) seja a próxima vítima. Que Deus nos ajude!

Sobre Gilson Biondo

Conselheiro Tutelar e é palestrante em todo Brasil sobre Promoção, Prevenção e Garantia de Direitos na área da Criança e do Adolescente, mas, tem formação como Psicanalista Clinico, Administrador de Empresas, Bacharel em Teologia e é Escritor de 37 livros. No terceiro setor atua como Diretor-Conselheiro voluntário na ACM (Associação Cristã de Moços), como Diretor Social e Cultural voluntário da APFESP (Associação Pró-Família do Estado de São Paulo) e tem um projeto humanitário e evangelístico nos 32 vilarejos mais pobre do Brasil no sertão brasileiro. Para entrar em contato com ele: www.gilsonbiondo.com.br ou www.facebook.com/gilsonbiondo

3 Comentários

  1. Gostaria de saber qual a fonte real dessa matéria, pois esta apenas nesse post e num jornal local de nome Jornalweb que também não fornece as fontes reais, (por exemplo a delegacia da ocorrência); quem copiou de quem?
    Pergunto pois entrei em contato com a polícia local e adjacentes e nenhum registro consta sobre esse jogo ter matado uma criança em Osasco.
    Precisamos estar atentos, pois agora pais displicentes irão culpar um raio de jogo infeliz, antes de se culparem pelo abandono afetivo de seus filhos.

  2. Muito triste saber sobre esse jogo e ainda mas triste saber e crianças tem a coragem de se matar .sabemos que o fôlego de vida ê um presente dado por nosso Deus .o diabo veio matar roubar e destruir mas o nosso Deus veio para nos dar vida com abundância

  3. gente esse jogo nem precisou aparecer por aki os jovens antes desse jogo ja estavam cortando os braços e pernas eu me deparei com isso no pronto socorro do pestana no ano passado entao fica o alerta se se filho estiver de blusa no calor e calças pede pra olhar pq virou modinha se cortar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Para topo
scotland.torrie@mailxu.com