Home / Colunistas / Em Off

Em Off

• ENTREVISTA: EMIDIO DE SOUZA

Afastado da política de Osasco e região, após assumir a presidência do PT no estado e faltando pouco mais de um ano para as eleições de 2018, o ex-prefeito Emidio Pereira de Souza está de volta. Nessa quarta-feira, ele recebeu jornalistas em seu escritório recém-inaugurado na Rua Narciso Sturlini. Numa conversa muito formal tratou de assuntos referentes a cidade, e política. Confirmou a provável candidatura a deputado, faltando apenas se sai a federal ou estadual. Ele assumiu a Secretaria Nacional das Finanças do PT e com isso, deve estar em seu escritório por uma ou duas vezes, por semana, para atendimento.

Osasco e atual governo

Disse-se insatisfeito com a atual administração, afirmando não gostar do que está vendo. “Vejo Osasco pior do que estava quando o prefeito era Jorge Lapas”, dizendo que agora vai acompanhar mais de perto a situação da cidade. “Osasco me deu tudo que eu sou. Três mandatos de vereador, deputado e dois mandatos de prefeito. Quero conversar com muitos agentes da cidade; econômicos e políticos pra pensar nas saídas de como se montar um programa que faça Osasco voltar a crescer. Se você pegar os governos do Celso Giglio e o meu, ambos tinham um norte. O que falta hoje é um rumo claro”.

 

Futuro político

“Vou disputar uma cadeira de deputado e vou definir até o final deste mês se saio a federal ou estadual”. Indagado à respeito de uma dobrada com Jorge Lapas, Emidio respondeu que teve alguns encontros, mas por precaução preferiu esperar o desenrolar de apreciação das contas do ex-prefeito pelo Legislativo de Osasco, o que aconteceu nessa terça-feira, 1, com as contas rejeitadas pelos vereadores. Sobre João Paulo Cunha, Emidio afirmou que há muito tempo não conversa com ele, “Quase não temos falado”. Mas não vê com bons olhos o seu partido; o PT, na cidade. “Não concordamos em boa parte na condução política em Osasco, mas concordamos na nacional em que eu vou ajudar na eleição do Lula para presidente”. Sobre a eventual ida de seu ex-secretário da Saúde em seu governo, Gelso de Lima, ao PSDB, Emidio se mostrou surpreso. “Geralmente, quem sai do PT vai pro PCdoB, pro PDT e outros partidos de esquerda. Não é usual e normal ir para o PSDB, mas se ele for, boa sorte. O Gelso desde que ele saiu do PT deixou de ser um problema nosso”.

 

Lula

Ninguém no Brasil, incluindo o Lula, está acima da lei. “Se existem provas materiais contra ele que o prendam. Mas qual é a prova? O Brasil virou um país da condução coercitiva; da delação. Acho extremamente arriscada essa condição. A justiça não deve agir por paixão política. Há uma seletiva na Lavajato, isso é uma certeza”.

 

PT de Osasco

“Tem que ter diálogo, precisa se reconhecer como um partido de oposição. Essas pessoas que são do PT e estão no governo, eu não reconheço. Sou claro em defender que meu partido seja de oposição ao atual governo. Se o PT não se declarar, eu vou me declarar como oposição. Não porque eu tenho bronca dele; todo mundo sabe de onde Rogério Lins veio. Não é segredo pra ninguém e não tem a ver com minha relação pessoal com ele. Tem a ver com meu papel na cidade; meu papel político. Os petistas que estão no governo estão equivocados. Um partido que governou a cidade por três mandatos,não pode pegar rabeira em outro governo que não tem nada a ver com nosso programa.Não podemos pegar rabeira em meia dúzia de espaços na Prefeitura de Osasco. Um governo sem projetos, eu não compactuo e não vou compactuar nunca. Nós temos uma tradição de tirar leite de pedra. Já ganhamos algumas eleições consideradas improváveis em Osasco. Acho que a militância vai voltar pro leito natural dela em se confirmando a candidatura de Lula presidente e deve criar um novo efeito nesta cidade. Não vou permitir que um legado, como o nosso, fique pegando rabeira num governo sem projetos e cá entre nós: abaixo da média.

 

Câmara de Osasco

“A falta de vereadores do partido ajudou a enfraquecer a Casa de Leis, a ter mais qualidade e denunciar coisas erradas; o PT sempre teve esse papel. Eu não tenho méritos e nem elementos para julgar o Ministério Público. Ele tem que investigar e investigar todo mundo e também a mim. Eu tenho investigações, sou investigado e acho natural. O político é monitorado o tempo todo e é natural, mas tem que se conter os exageros. Precisa ver quem é que tem que ser preso mesmo; quem tem que ser conduzido coercitivamente. Com relação a Osasco, o pior mesmo é com relação a imagem da cidade. Tudo que aconteceu foi horroroso. As pessoas se sentiram envergonhadas de falar que eram de Osasco”, disse Emidio referindo-se às prisões ocorridas no final de 2016.

 

Rogério Lins

É cedo ainda; ele tem tempo. Pode ser que ele se livre das pessoas que estão cercando ele. Pode ser que ele crie um plano pra cidade, que hoje não tem. Pode ser que ele arrume o dinheiro que ele disse que ele tinha em Osasco; falava que o que faltava era só gestão; que dinheiro tinha. Você não pode mais fazer campanhas iludindo as pessoas, quando não há recursos para administrar bem a cidade. Tem gente que confunde que o nono PIB do país e segundo do estado, é recurso no caixa da prefeitura. São parâmetros de natureza diferente. Então, o que se paga hoje é o preço do tipo de campanha que se faz; do que se fala e faz nela. Eu sou uma pessoa de planos modestos e factíveis. Se você promete o impossível, na próxima esquina a cidade te cobra.

 

• Adeus fantasmas 

A Câmara Municipal de Osasco deve, nas próximas semanas, dar início ao novo sistema de ponto eletrônico dos servidores públicos. Essa semana a empresa responsável já deu início ao sistema de biometria; que faz a leitura digital dos dedos das mãos para identificar e registrar as entradas e saídas do servidor do Legislativo. Em conversas com o presidente da Casa, Dr. Elissandro Lindoso, o mesmo afirmou que em pouco tempo a nova modalidade estará em funcionamento. Esse sistema faz parte de acordos com o Ministério Público de São Paulo para evitar futuros problemas como os ocorridos ao final do ano passado com denuncias de supostos “funcionários fantasmas”, que atualmente respondem processos.

 

• De Taxi para Cavanha

O presidente da Câmara Municipal de Itapevi, Anderson Cavanha, conhecido desde a adolescência como Bruxão do Táxi, ainda faz segredo mas não nega que está investindo para consolidar a sua imagem como um nome forte na renovação política na região. E para ampliar a sua atuação política vem mudando a estratégia de atuação parlamentar e o seu nome político para Bruxão Cavanha. O presidente do Legislativo itapeviense tem sido cotado como pré-candidato a deputado em 2018 pelo seu partido; o PR (Partido da República), mas assegura que a decisão depende do grupo político do qual faz parte. “Faço parte da mudança. Sou soldado de um exército, e sei esperar a minha vez. Mas estou preparado para a missão se o meu general precisar”, comentou.

Sobre Nilson Martins

Nilson Martins é paulista, natural de Manduri. Iniciou carreira jornalística em 1977. Seu primeiro jornal foi o Grande Osasco, depois passou por vários periódicos como Diário da Região, A Rua, Tribuna Popular, Tribuna da Região, TV Esporte Mais, TV Cidade e atualmente Correio Paulista e TV Osasco. Proprietário do site QG Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Para topo
munster@mailxu.com sianez_rxd@mailxu.com