Home / Colunistas / Em Off

Em Off

Polícia de novo

Desde dezembro de 2016 nossa amada cidade Osasco é palco de escândalos políticos envolvendo autoridades do Executivo, Legislativo e agora um braço da Justiça que é a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) com o envolvimento da presidente Libânia. Quem não se recorda que em dezembro houve pedidos de prisões envolvendo 14 vereadores ao final da legislatura. Osasco foi notícia por dias nas redes de TV com a prisão de 12 parlamentares que passaram o Natal no presídio do Tremembé. Libertados, através de um habeas corpus, com fiança arbitrada em R$ 300 mil a cada um deles, o tempo passou e pelo menos quatro que haviam sido reeleitos em outubro tomaram posse e retornaram à Casa no novo mandato.

 

Quem diria 

E nessa semana, na noite de terça-feira, um encontro marcado num famoso restaurante à beira da Rodovia Castelo Branco foi o palco para outro escândalo. Agora, pasmem, envolvendo a presidente da 56ª Seção – Osasco da OAB, Dra. Libânia Aparecida da Silva. Quatro pessoas participaram de um jantar no local onde a especialidade é comida portuguesa, tendo o bacalhau o prato principal. Estavam lá o presidente da Câmara de Osasco, Dr. Elissandro Lindoso, Libânia acompanhada de seu marido Carlos Gomes e outra pessoa que participou sem o envolvimento na trama; à convite de alguém.

 

Além de dinheiro, cargos também 

O jantar, todo monitorado pela Polícia Civil de São Roque, e acompanhado pelas câmaras escondidas de uma famosa rede de televisão, transcorreu normalmente mas, fazia parte de um acordo para que as ameaças cessassem ali, conforme o BO 3438∕2017, as ameaças feitas pela presidente da OAB Osasco ao mandatário do Legislativo da cidade. De acordo com Lindoso, numa rápida coletiva em seu gabinete na tarde de quarta-feira, Libania e o marido vinham, há tempos, o chantageando e em seu desespero chegou ao ponto de pagar determinadas quantias que seriam as parcelas de um total de 12 mil reais ao casal. Além do dinheiro teve, também, o pedido de dois cargos; um para o marido e outro ao filho. Tudo gravado e mostrado na TV. Dois mil reais, faltantes para cumprir o combinado foram entregues à Libânia que logo em seguida, na saída, teve voz de prisão decretada pelos policiais, juntamente com o marido. Ela e o cônjuge estão com prisão preventiva num CDP de Sorocaba, impetrada por uma juíza, na audiência de custódia e sem direito a fiança por ser o crime de extorsão inafiançável.

 

Automóveis e aluguel do prédio

Para o presidente Lindoso, a atitude por não suportar mais as ameaças e a extorsão. “Quero dizer que eu fui vítima e quero que fique bem claro que a Ordem dos Advogados do Brasil também é vítima”, disse. Uma representação promovida pela presidente da OAB há cerca de três meses, pode ter sido o início das chantagens garantiu. Libânia questionava na licitação os altos valores que seriam pagos sobre veículos com motoristas aos senhores vereadores. Logo em seguida, outra tentativa foram os questionamentos sobre o aluguel de um prédio ao lado do Legislativo. “Fiquei muito confuso; sem entender porque na gestão passada não houve nenhuma representação feita pela OAB Osasco.”, disse o presidente.

 

Como votaram

Na noite de quarta-feira, em Brasília, deputados votaram uma ação da PGR, aceita pelo Supremo, sobre o presidente Michel Temer (PMDB) ter cometido crime de corrupção e lavagem de dinheiro. O que chamou a atenção é que logo em seguida que a deputada federal, por Barueri, Bruna Furlan (PSDB) deu o sim ao presidente, imediatamente nas redes sociais começaram as criticas, se bem que veladas. Já o petista de Osasco Valmir Prascidelli ofereceu o não ao presidente e não houve nenhuma menção. Sem ser de Osasco, mas como está sempre na cidade, a deputada Renata Abreu – presidente nacional do Podemos – também votou contra Temer.

 

Quem vai levar? 

Um cabo de força seria a frase correta para uma disputa entre dois vereadores do PRP de Osasco. Ambos têm a mesma intenção. Ou seja, disputar uma vaga para deputado estadual ano que vem. Mas o partido certamente só vai autorizar um. Na disputa estão Ribamar Silva e Daniel Matias. Para o evangélico Daniel existe o respeito sobre a posição do líder da bancada. “Ele chegou primeiro ao partido e teve mais votos na eleição para ser vereador, mas isso não é parâmetro para forçar a definição de seu nome”, disse.

 

Datena, a salvação 

Já Ribamar usou a frase militar “tempo de casa é posto”, para mostrar que ele tem mais direito. Afirmando ter trabalhado com o deputado Roberto Santiago, Riba afirma que sob sua coordenação, seu candidato sempre teve mais de 4 mil votos em Osasco. “Sempre tive apoio do movimento sindical e está garantido o apoio do prefeito Rogério Lins, em minha campanha”, esnobou o vereador que também é líder do prefeito. Para Daniel Matias existe a possibilidade dele sair candidato a federal. “O jornalista da Band, Luiz Datena, assinou a ficha do PRP e deve sair candidato ou ao senado ou a federal. Se federal, abriria muitas portas para candidaturas.”, disse Daniel que afirma ter o apoio do vereador paulistano Eduardo Tuma membro da igreja Bola de Neve.

Sobre Nilson Martins

Nilson Martins é paulista, natural de Manduri. Iniciou carreira jornalística em 1977. Seu primeiro jornal foi o Grande Osasco, depois passou por vários periódicos como Diário da Região, A Rua, Tribuna Popular, Tribuna da Região, TV Esporte Mais, TV Cidade e atualmente Correio Paulista e TV Osasco. Proprietário do site QG Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Para topo
pishner.georgie