Home / Colunistas / Eu trabalho demais e não consigo ter contato com meus filhos durante a semana, o que fazer?

Eu trabalho demais e não consigo ter contato com meus filhos durante a semana, o que fazer?

Imagino que nos dias de hoje este seja o quadro de muitos pais, no entanto, precisamos lembrar que nosso maior legado são os nossos filhos. É compreensivo que hoje em dia com a correria do dia a dia muitos pais não consigam se fazer tão presentes. Porém, o que não se pode esquecer é no MÍNIMO a comunicação, a demonstração de afeto e o estar juntos. Nesta ocasião trago uma mensagem que emociona e demonstra o quanto é forte a ligação de filhos e pais, mas, que não pode virar uma regra. Leia com atenção esta linda história de autor desconhecido.

Era uma reunião numa escola. A diretora incentivava os pais a apoiarem as crianças, falando da necessidade da presença deles junto aos filhos. Mesmo sabendo que a maioria dos pais e mães trabalhava fora, ela tinha convicção da necessidade de acharem tempo para seus filhos.

Foi então que um pai, com seu jeito simples, explicou que saía tão cedo de casa, que seu filho ainda dormia e que, quando voltava, o pequeno, cansado, já adormecera. Explicou que não podia deixar de trabalhar tanto assim, pois estava cada vez mais difícil sustentar a família. E contou como isso o deixava angustiado, por praticamente só conviver com o filho nos fins de semana.

O pai, então, falou como tentava redimir-se, indo beijar a criança todas as noites, quando chegava em casa. Contou que a cada beijo, ele dava um pequeno nó no lençol, para que seu filho soubesse que ele estivera ali. Quando acordava, o menino sabia que seu pai o amava e lá estivera. E era o nó o meio de se ligarem um ao outro.

Aquela história emocionou a diretora da escola que, surpresa, verificou ser aquele menino um dos melhores e mais ajustados alunos da classe. E a fez refletir sobre as infinitas maneiras que pais e filhos têm de se comunicarem, de se fazerem presentes nas vidas uns dos outros. O pai encontrou sua forma simples, mas eficiente, de se fazer presente e, o mais importante, de que seu filho acreditasse na sua presença.

Para que a comunicação se instale, é preciso que os filhos “ouçam” o coração dos pais ou responsáveis, pois os sentimentos falam mais alto do que as palavras. É por essa razão que um beijo, um abraço, um carinho, revestidos de puro afeto, curam até dor de cabeça, arranhão, ciúme do irmão, medo do escuro, etc.

Uma criança pode não entender certas palavras, mas sabe registrar e gravar um gesto de amor, mesmo que este seja um simples nó.

E você? Tem dado um nó no lençol do seu filho?

Queridos amigos é de suma importante essa questão da comunicação, do afeto, do carinho e do diálogo com os filhos. Claro que devemos nos policiar e ter um tempo especial para nossos filhos, mas quando não for possível o melhor é conversar e gerar afeto. Lembre-se da linguagem do coração… dessa linguagem que pode ser sentida, apesar da distância física. E procure apertar os laços do afeto, pois estes são os verdadeiros elos que nos unem aos que amamos.

Pense nisso, mas, pense agora!

Sobre Gilson Biondo

Conselheiro Tutelar e é palestrante em todo Brasil sobre Promoção, Prevenção e Garantia de Direitos na área da Criança e do Adolescente, mas, tem formação como Psicanalista Clinico, Administrador de Empresas, Bacharel em Teologia e é Escritor de 37 livros. No terceiro setor atua como Diretor-Conselheiro voluntário na ACM (Associação Cristã de Moços), como Diretor Social e Cultural voluntário da APFESP (Associação Pró-Família do Estado de São Paulo) e tem um projeto humanitário e evangelístico nos 32 vilarejos mais pobre do Brasil no sertão brasileiro. Para entrar em contato com ele: www.gilsonbiondo.com.br ou www.facebook.com/gilsonbiondo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Para topo
winterbottommaris@mailxu.com wildman.florencia@mailxu.com