Ícone do site Correio Paulista

Elsa Oliveira quer distribuição de fralda descartável para famílias vulneráveis em Osasco

Muito se falou nas últimas semanas sobre pobreza menstrual e, apesar da grande repercussão sobre o debate, ainda é preciso esforço do poder público para combate-la. Jornal, pedaços de pano ou folhas de árvores usados de forma improvisada no lugar de um absorvente para conter a menstruação é realidade para uma pequena, mas significativa, parcela da população que menstrua, por falta de acesso a itens básicos, falta de informação e de apoio nesse período.

O debate trouxe luz à outra questão: como o poder público pode ajudar famílias em situação de vulnerabilidade social, além da doação das tradicionais cestas básicas e das transferências de renda relativas aos programas sociais?

Pensando nisso, a vereadora Elsa Oliveira (Pode) encaminhou, na última semana, sugestão ao prefeito para que a administração promova um estudo que viabilize o fornecimento de fraldas descartáveis durante 4 meses para bebês de 0 a 4 meses, filhos de mães que fizeram o pré-natal pelo SUS e que estão inseridas no Cad Único.

Para se ter ideia, dos 3057 nascimentos registrados de janeiro a setembro de 2021 na maternidade Amador Aguiar, somente 1806 mulheres passaram por 7 ou mais consultas pré-natal (pouco menos de 60%), de acordo com os dados da Secretaria Municipal de Saúde. Deste montante, 54 delas não passaram por consulta alguma e 324 passaram apenas por de 1 a 3 consultas, ou seja, abandonaram o pré-natal durante a gestação.

“As famílias que já se encontravam em situação de vulnerabilidade são as que sentem, de maneira mais contundente, os efeitos da pandemia. Considerando ainda que muitas mães não iniciam e dão continuidade ao pré-natal da maneira recomendada pelo SUS, a presente indicação visa beneficiar essa faixa da população em busca de incentivar a realização do pré-natal e contribuir com esse item básico, que é a fralda descartável, nos primeiros 4 meses de vida dos bebês. O pré-natal bem feito e o apoio nesse período é fundamental para a saúde desses recém nascidos”, salientou a vereadora.

Na mesma via, ela estendeu o pedido para atender, por 24 meses, bebês de 4 meses a 2 anos, também pertencentes à famílias vulneráveis e que estejam inscritas no Cad Único. O benefício fica condicionado à criança estar matriculada nas creches municipais de Osasco.

Sair da versão mobile