Quem abandonar animais em Osasco pagará multa de R$ 3 mil

A Câmara Municipal de Osasco aprovou nesta terça-feira (16) o Projeto de Lei Substitutivo 8/2018, que tem o objetivo de promover a proteção animal no município. Entre as medidas previstas na proposta está a criação de uma multa de R$ 3.146,60 para quem abandonar animais em espaços públicos ou privados.

 O mesmo valor será cobrado de quem maltratar algum bicho, independentemente de ser o proprietário ou cuidador. Se os maus tratos resultarem em morte, a multa será dobrada.

O texto define maus tratos como qualquer ação ou omissão que cause dor ou sofrimento, como, por exemplo, agredir o animal, mantê-lo em lugar que ocasione desconforto ou privá-lo de alimento e água.

O projeto aprovado pelos vereadores também determina uma penalidade de R$ 619,28 para quem não vacinar o seu pet e de R$ 314, 64 para os donos que não recolherem as fezes de seus bichos de estimação nas ruas da cidade.

Passa a ser proibida também a “criação, alojamento ou manutenção” de cavalos, mulas, asnos, bois, cabras, ovelhas e porcos na área do município. A punição para quem desobedecer a norma será uma multa de R$ 1.573,20.

Todas as sanções mencionadas acima serão aplicadas em dobro no caso de reincidência.

Outra prática punida será a proibição do acesso de cães-guias a recintos de uso público, sejam eles comerciais, industriais ou governamentais, o que passa a gerar uma multa de R$ 3.146,60. Nesse caso, a quantia será duplicada sucessivamente a cada reincidência – o projeto não estabelece um limite para o valor.

Aprovada em segunda discussão, com 14 votos favoráveis e nenhum contrário, a proposta agora só depende da sanção do Prefeito Rogério Lins (PODE) para virar lei.

Microchip
Outra novidade do texto é a criação do Registro Geral Animal (RGA), que torna obrigatória a identificação de todos os cães e gatos da cidade através de microchip. Os proprietários terão cinco anos a partir da publicação da lei para realizar o cadastro de seus animais.

Depois desse prazo, todos os pets dessas espécies deverão ser microchipados antes de completarem seis meses de idade ou logo após a compra. O custo do procedimento ficará a cargo dos donos, a não ser em caso de pobreza.

Fundo
O substitutivo cria o Fundo do Bem-Estar Animal, que seria abastecido principalmente com o dinheiro arrecadado por meio das multas criadas pelo projeto. Outras fontes de receita seriam doações de pessoas físicas ou jurídicas e auxílios de entidades nacionais e internacionais.

O dinheiro poderia ser aplicado em ações como projetos de controle da população animal, ações educativas e programas de tratamento de saúde para os bichos, entre outros.

A gestão do fundo ficará a cargo do Conselho Municipal do Bem-Estar Animal, também criado pelo projeto. O colegiado será composto por cinco representantes da Prefeitura e cinco da sociedade civil. Destes, três seriam membros de associações, entidades ou movimentos voltados à promoção do bem-estar animal e os outros dois seriam representantes de clínicas veterinárias situadas em Osasco.

3 COMENTÁRIOS

  1. Tudo muito lindo a nova lei sobre maltratos de animais. Fica a pergunta: quem vai fiscalizar e multar, principalmente os pera que sujam as calçadas? Seria mais uma lei que não vai colar?

  2. A prefeitura deveria então investir em monitoramento. Na rua onde trabalho, já resgatei mais de 4 cães filhotes e mais de 14 gatos , todos abandonados em gavetas com telha em cima, caixa de papelão lacrada com fita, ou apenas jogados dentro do pátio da empresa que trabalho.

Deixe uma resposta para Celia matsumoto Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here