Correio Paulista

Segunda Divisão: fecha-se o livro do Osasco FC, abre-se o do Ska Brasil em Santana de Parnaíba

llO Osasco Futebol Clube agora é só história, livro que foi fechado em março. Lançado em dezembro de 1992 com as cores da bandeira municipal, o OFC surgia como representante oficial da cidade no futebol profissional.
Os mais antigos sabem que o Osasco FC surgiu das cinzas do Monte Negro FC, clube com sede no mesmo estádio da Vila Yolanda, zona Sul de Osasco, hoje sob a bandeira do Audax.
O Monte Negro vem de janeiro de 1971 e na vaga deixada pelo Grêmio Água Branca FC e lutou bravamente por três décadas até fechar as portas. No entanto, parte da diretoria decidiu manter o futebol e, assim que o Monte Negro se desfez, esses dirigentes formaram o Osasco Futebol Clube.
Desde então foram dez temporadas na 2ª Divisão e com o melhor resultado em 2017, quarto lugar. No entanto, bem antes disso uma nova página é virada na história do clube.
Estamos em 2010, ano de muitas dificuldades para o futebol de Osasco, tudo no limite do impossível para se manter em campo. Então surge um personagem para mudar o curso – foi via Osasco FC que Mário Teixeira passou a investir no futebol local.
Um dos principais conselheiros do Bradesco, o homem começou a injetar no time e logo abraçaria o Grêmio Esportivo Osasco (fundado em 2007 no lugar do Esporte Clube Osasco) e, posteriormente, surpreenderia ao comprar o Audax.
Ainda sobre a 2ª Divisão, depois de 2017 o Osasco FC passa a ser laboratório de base e se licencia – a última atuação foi em 8 de setembro daquele ano, 3 a 0 para o São Bernardo no Rochdalão.
Hora de voltar para o futuro, 2020, ano que começa sob clima olímpico mas que logo entraria em turbulência com a pandemia congelando o esporte. A Federação Paulista de Futebol anuncia blecaute e todos os clubes vão para quarentena.
Chegando em março e com as discussões sobre o retorno do futebol já bombando, o Osasco FC volta a ser notícia. Então uma marca do grupo Audax, o clube é negociado com o penta Edmílson Moraes, que toca projeto em Santana de Parnaíba.
O Ska Brasil tem investimento de japoneses e agora entra no futebol profissional. A partir do acerto em março, Edmílson vem cuidando de personalizar a nova equipe, ação tipo apito final para o Osasco FC, fim de história, tampa fechada.
A FPF divulgou a temporada da Segundona e a nova equipe de Santana de Parnaíba forma o Grupo 7 com Barcelona da Capital, Mauaense, Jabaquara e Mauá. O Ska Brasil estreia na próxima sexta, 18, contra o Mauaense.
Mas o time do pentacampeão não tem estádio local para a Segundona (isso fica para o ano que vem) e, então, vai usar o mando de jogo do extinto – na próxima sexta tem Ska Brasil x Mauanese, às 15h no Rochdalão. Está fechado o livro do Osasco FC e abre-se o de Santana de Parnaíba.

Sair da versão mobile