Cafu sofre ação de reintegração de posse por causa de empréstimo de R$ 1 milhão

Capa Cidades Destaque

A Justiça determinou que Marcos Evangelista de Morais, o pentacampeão pela seleção brasileira Cafu, desocupe neste mês um imóvel em Alphaville, em Barueri. A ação de reintegração de posse é movida por dois empresários que o atleta, em 11 de outubro de 2017, fechou um empréstimo pessoal de R$ 1 milhão e deu como garantia a casa.

  • A publicação no Diário de Justiça Eletrônico da decisão foi no dia 2 de dezembro. O caso corre pela 3º Vara Cível de Barueri e envolve uma casa com área de 497,05 metros quadrados e piscina de 29,85 metros quadrados, totalizando 526,90 metros quadrados. Cabe recurso.
  • Pela falta de quitação da dívida em três meses, os dois empresários pediram a propriedade do imóvel na Justiça. O ex-jogador recorreu da decisão de julho de 2021 sobre a ordem com arrombamento e reforço policial, se necessário.
  • Na época, a Justiça aceitou o pedido liminar dos cobradores e deu 15 dias para que o pentacampeão desocupasse voluntariamente o imóvel.
  • Em 15 de junho deste ano, os desembargadores negaram a contestação da defesa do atleta. O relator foi Helio Faria. “Sustenta ter interesse em reaver seu imóvel, mas não sabe ao certo qual é o real valor atualizado da dívida, que há abusividade na cobrança do crédito”, escreveu o relator sobre a defesa de Cafu, que não negou a dívida.
  • A decisão foi encaminhada ao juiz do caso, juiz Raul de Aguiar Ribeiro Filho, que em um despacho de 29 de novembro deste ano pediu o cumprimento do acórdão e a expedição do mandado de desocupação compulsória em 15 dias após a intimação.
https://9a7e9c06308a1f58dbdadf876b18bf77.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-40/html/container.html

A defesa alegou no processo que a cobrança de juros pelos empresários é “maliciosa”.

“Maliciosamente [a dupla de empresários] tenta enriquecer-se de forma ilegal, lesando de forma intencional o requerido, cobrando juros que pela lei pátria são proibidos, inclusive sua prática são considerados crimes”, escreveu.

g1 entrou em contato com o advogado de Cafu, que encaminhou o posicionamento:

“Em face das matérias recentemente divulgadas por algumas mídias, acercado processo do ex-jogador Cafu, vem por meio desta nota, esclarecer algumas informações, dado que foram equivocadamente propagadas. Diversamente do que foi dito, não existe uma ordem de despejo em face do ex-jogador. Ocorre que, o termo utilizado inapropriadamente pela mídia, com finalidade de gerar impacto ao leitor, é tecnicamente equivocado. A bem da verdade, existe um processo em curso, este pendente de julgamento que envolve um dos imóveis do ex-jogador, este o qua ele não reside. É o que no presente momento cumpre informar.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *