Grão-mestre Lopes: cinco décadas de kung fu e o legado segue a partir de Osasco

Capa Colunistas Esportes Márcio Silvio

Quando moleque ele era apaixonado por eletrônica. Naquele tempo os televisores eram de tubo e com válvulas, por exemplo. Certo, mais tarde o jovem Aparecido Lopes de Jesus se matricularia para três anos e meio de curso.

Antes de tudo, serviço militar. Nas resenhas do quartel com os amigos de farda, conheceu a capoeira e o karatê – primeiro contato dele com as artes marciais. Ao dar baixa, já pensava muito nisso e não demoraria nada para se deparar com essa estrada.

“Eu estava no trem indo para São Paulo e um senhor distribuía um pequeno folheto anunciando kung fu. Eu fui lá, era um local pequeno na Rua José Paulino”, recorda. Se ele pouco sabia de luta, nada sabia de arte marcial chinesa – mas se matriculou.

Era 1975 e a academia ensinava o estilo Tàishan (referência ao Monte Tai na região leste, um dos símbolos culturais e uma das montanhas sagradas da China). A relação do estilo com o monte deve-se a um dos templos onde surgiu a técnica baseada no leão.

Ao se matricular e assinar a carteirinha, Aparecido Lopes decretava mudança geral no plano de vida. Quanto aos treinos, três anos depois era faixa-verde e instrutor, já puxando aulas.

Avançando no tempo, chegamos em junho de 1979 no centro de Osasco e vemos o jovem professor Lopes inaugurando academia que seria berço de uma família marcial que hoje cobre o País e além. Mas antes disso, o projeto piloto dele foi bem menos, em parceria com um professor de boxe, teve a primeira turma num pequeno espaço no Jardim Bela Vista, zona Sul. No entanto, foi dessa experiência que ele finalmente soube o que queria ser – deixou o trabalho formal e a eletrônica que era uma profissão top na época.

Vale um destaque: anos 70, kung fu absolutamente desconhecido e, então, ele teve que mostrar muita coragem e raça para deixar a zona de conforto e se lançar na estrada. Após aquele projeto com o pugilista, o professor batalhou até inaugurar a própria academia na Avenida dos Autonomistas. Hoje, a Tàishan tem sede na Rua Virgínia Aurora Rodrigues, 528 no centro de Osasco.

Dentro dos longos anos de kung fu, o mestre ampliou o conhecimento marcial com acupuntura e quiropraxia, formando-se também em fisioterapia. Entre tantas contribuições sociais e esportivas, mestre Lopes criou e organizou o Encontro de Artes Marciais de Osasco, estreando em 1988; em 2015 foi vice-presidente da Federação Paulista de Kung fu.

Olhando para a linha do tempo e hoje só gerenciando a grande organização, ele conta cinco décadas de muito kung fu e de sonho que continua vendo se realizar a cada novo aluno matriculado, a cada novo faixa-preta formado. Se a Tàishan é uma das marcas do esporte municipal de Osasco e entre as melhores escolas do Brasil, mestre Lopes é o nome dessa história.

8 thoughts on “Grão-mestre Lopes: cinco décadas de kung fu e o legado segue a partir de Osasco

  1. Muito orgulho de fazer parte dessa história, principalmente por ter como mestre alguém tão bom como ele…
    Gratidão aos ensinamentos de Kung-fu e de vida!

  2. Homenagem justa. O trabalho do Kung Fu TaiShan vai além das academias e dos tatames. Muito me orgulho de fazer parte dessa família há 25 anos. Aprendi muito mais do que lutas. Parabéns G. Mestre (e amigo) Lopes.

  3. Parabéns Mestre Lopes você tem história você é do tempo do Mestre polim capoeirista mestre morita professor de karatê é você amigo tai fazendo história
    Osasco tem orgulho de você meus parabéns Vou ai ti fazer uma visita que Deus abençoe sua vida

  4. Parabéns mestre Lopes! Tem todo meu respeito, na qual tenho a honra de ser um dos formados desse Kung Fu incrível!!!

  5. Que linda história de coragem, ousadia e fé! As artes marciais contribuem para e desenvolvimento físico, resiliência e, principalmente, equilíbrio emocional. Foi através do kung-fu, aos quatorze anos que eu superei uma depressão pessoal. Me ensinou muita disciplina e paz interior. Sinto falta… Deveria ser uma disciplina escolar para fortalecer as mentes de nossas crianças. Parabéns pela trajetória do Mestre Lopes.

  6. Que saudades, fui aluna do Mestre Lopes, quando ele dava aula na ACM. Sempre um grande exemplo! Abraços!

  7. Comecei treinando Karatê com mestre Morita depois fui treinar Kung Fu Taisan com mestre Chen em S.P. lá conheci mestre Lopes que não era formado ainda.Depois vim reencronta-lo na Vila Yara mas voltei a treinar com ele na Av dos Autonomistas quando tive uma contusão e parei de treinar.Parabens mestre Lopes sempre um guerreiro .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *