Barueri se prepara para encarar a dengue

A reunião “Sala de Situação de Arboviroses”, realizada pela Secretaria de Saúde de Barueri por meio da Vigilância em Saúde, reuniu secretarias e órgãos municipais na manhã de segunda-feira (dia 9) para discutir formas de atuação conjunta contra a dengue e demais artrópodes.
O verão é o período de maior transmissão de dengue, favorecido pela incidência de chuvas e ambientes quentes e úmidos, bastante favoráveis à proliferação do mosquito Aedes aegypt, transmissor dessa e de outras doenças, como zika vírus e chikungunya.
A coordenadora chefe da Vigilância, Rosana Perri Andrade Ambrogini, disse durante o encontro que atualmente se fala em arboviroses e não apenas em dengue, já que estamos diante da ameaça de outros mosquitos que têm causado vários problemas de saúde pública. “Éramos felizes e não sabíamos”, ironizou a coordenadora referindo-se ao tempo em que apenas a dengue era preocupante.
E por falar em preocupante, esse é o quadro diante das estimativas para o próximo ano com relação às doenças causadas por arboviroses, baseados nos números de 2018 e 2019. Para se ter uma ideia, em 2018 o Estado de São Paulo registrou 28.140 casos de dengue notificados, 3.616 confirmados e quatro óbitos. Este ano, foram 152.540 casos notificados, 60.339 confirmados e 46 óbitos.
Em Barueri, assim como no restante do Brasil, o pior quadro ocorreu em 2015, com 6.006 casos confirmados. Nos anos seguintes houve uma boa queda (56 casos confirmados em 2016; seis casos em 2917, oito casos em 2018), mas em 2019 o número voltou a subir, chegando a 142 confirmações.
O objetivo principal da reunião foi organizar uma ofensiva contra o mosquito, contando com a ajuda de todos os órgãos municipais, tanto em seus ambientes internos quanto no envolvimento da comunidade que cabe a cada um, afinal, a ajuda da população é primordial nessa luta.
“Precisamos conseguir trabalhar em parceria com vocês para a gente chegar mais perto da população, pois 80% dos criadouros está dentro das residências”, ressaltou Rosana. Ela explicou que a principal forma de prevenção contra o Aedes é a eliminação dos criadouros. “A participação da sociedade é o que mais traz êxito no combate às arboviroses”, disse.
A Prefeitura realiza ações de prevenção contra as arboviroses o ano todo, de forma ininterrupta, por meio de limpeza e manutenção de áreas públicas, visitas casa a casa, campanhas de conscientização, fiscalização de terrenos e obras e muitas outras iniciativas.
Antecipando-se à sazonalidade das epidemias, que costumam ocorrer entre março e abril, a Vigilância não apenas está buscando a união de forças para ampliar as ações e incentivar maior participação da sociedade, mas também na organização do plano de contingência dos locais que prestam assistência às pessoas contaminadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here