Central Diana barueriense nata e uma das novinhas que arrepiam na Superliga

Colunistas Esportes Márcio Silvio

Em 2016 ela era juvenil aos 17 anos e festejava o título sul-americano com a seleção brasileira no Peru. Jogou muito vôlei, tanto que levou o prêmio de melhor central do torneio.
A menina chegou à seleção atuando pelo Bradesco Osasco, mas a escola de Diana Alecrim foi o Grêmio Recreativo Barueri – é natural da cidade e lá nas bases do hoje extinto GRB, ela marcava os primeiros pontos: “Foi onde tudo começou pra mim, onde aprendi praticamente tudo e foi onde surgiu sonhos e possibilidades em realizá-los.”
Deixando o clube nativo, a menina transferiu-se para o Bradesco Osasco e para despontar na Superliga B. Aos 19 anos, a central valorizava o 1,93 metros com um vôlei agressivo e deixaria o clube do Jardim Cipava para debutar como profissional – em 2018 era contratada pelo São Caetano e para a elite da Superliga.
Diana havia levantado o título paulista sub 21 pelo Bradesco, além de arrepiar na Superliga B; mas esse contrato com o Sanca marcava a passagem da central para a vida adulta do vôlei. A essa altura, o GRB já havia sido substituído pelo Hinode Barueri e a estreia de Diana seria justamente contra a equipe da casa. O técnico José Roberto Guimarães conhecia a fera e tratou de chamá-la. Hoje, Diana veste a camisa 2 do São Paulo Barueri e é uma das novinhas que arrebentam na Superliga – o objetivo é melhorar no alto nível porque sabe que faz parte da nova geração do vôlei brasileiro.
Quando subiu para o profissional e foi para o São Caetano, Diana teve como referência a central argentina Mimi Sosa; e durante as competições do nacional, ela também colaria nas técnicas da central Fabiana Claudino.
Diana Duarte Alecrim tem 21 anos, iniciou nas bases do GRB aos 12; aos 17 estreava no Bradesco Osasco e com 18 debutava no vôlei profissional pelo São Caetano. Então, em 2019 ela retornava para casa ao chamado do técnico José Roberto e para o Hinode Barueri, cumprindo agora a segunda temporada como São Paulo.
Nesta sextona, a camisa 2 puxa o ataque das novinhas na penúltima rodada da versão 2020 da Superliga, às 20h no ginásio Henrique Villaboim contra o Pinheiros; na última partida do ano as novinhas recebem o Curitiba Vôlei, dia 23 no Correão de Barueri. (M.S.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.