Depois de 12 anos, Bilhete único vai sair do papel, diz Rogério Lins

Capa Política

O prefeito de Osasco, Rogério Lins, participou da primeira sessão legislativa na Câmara Municipal, após o recesso parlamentar de julho, para entregar ao presidente da Casa, Ribamar Silva, o projeto que visa instituir o Bilhete Único Municipal na cidade. O texto agora precisa ser apreciado pelas comissões e depois em plenário para que, em caso de aprovação, se transforme em lei.
A expectativa do governo é que, ao ser aprovado, o projeto entre em vigor já a partir de dezembro deste ano. “Há 12 anos ouço dizer que a cidade teria o Bilhete Único. Mas tomamos a iniciativa de fazê-lo. É um ganho para a cidade, que terá um sistema de transporte mais viável sob o ponto de vista econômico para as pessoas. Nada mais justo, porque os munícipes pagam seus impostos e merecem esse retorno”.
Pelo projeto, a pessoa poderá pegar duas conduções no intervalo de uma hora e pagará apenas uma passagem.Durante a sessão, o chefe do Executivo também falou de uma série de medidas já implementadas na cidade, como a ampliação da Guarda Civil Municipal (dobrou o efeito para 400 agentes), instalação de 300 câmeras do sistema Detecta capazes de identificar veículos com queixa de roubos e furtos, criação da Ronda Ostensiva Municipal (ROMU), com agentes treinados pela Rota, início da reforma de 35 Unidades Básicas de Saúde (UBSs), construção de 12 novas creches (quatro já foram entregues), duas delas denominadas Mundo da Criança, que serão administradas pela FITO (zonas Norte e Sul), e criação do aplicativo Visão 360 Osasco, um instrumento de transparência em relação aos atos administrativos.
Rogério Lins também indicou ainda as medidas que a exemplo do Bilhete Único devem ser executadas ainda este ano, entre as quais a construção do Hospital da Criança (na Avenida Presidente Getúlio Vargas, próximo à Policlínica da zona Norte, no Jardim Piratininga), e a retomada do programa Asfalto Novo, voltado ao recapeamento de ruas e avenidas (ano passado já foram recapeados 100 km de vias públicas), além da retomada das obras do novo Fórum (Jardim das Flores), paralisadas desde 2015 por falta de recursos do governo do Estado.
Os recursos para a retomada das obras estão estimados em R$ 30 milhões. A prefeitura ficará responsável pela parte estrutural e o Tribunal de Justiça do Estado por mobiliar o prédio. O presidente da Câmara, Ribamar Silva, aproveitou a ocasião para anunciar que o Legislativo também contribuirá com a retomada da obra, com R$ 5 milhões. “Vamos devolver este valor (do orçamento da Câmara) para que esta Casa também dê a sua contribuição”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *