Estudante diz ter sido vítima de assédio sexual em escola de Osasco

Cidades Destaque

Uma estudante de 15 anos de uma escola de ensino médio técnico de Osasco, afirma ter sido vítima de assédio sexual dentro do colégio. Segundo ela, o assédio foi cometido por um professor. Estudantes de Etec de Osasco protestam contra denúncia de assédio de professor nesta sexta em frente à escola.

A família da adolescente registrou boletim de ocorrência em uma Delegacia de Defesa da Mulher, no Centro da cidade, e a Secretaria da Segurança Pública (SSP) disse que o caso foi registrado como importunação sexual e um inquérito policial foi aberto.

A aluna contou que, na tarde da quinta (4), durante o intervalo das aulas, encontrou com o professor por acaso. Ela estava com uma calça rasgada na perna, e ele teria aumentado a abertura do tecido. Logo depois, ele teria passado a mão na coxa da estudante.

Nesta sexta-feira (5), os alunos organizaram um protesto na porta da escola pedindo o afastamento desse professor e protestando contra atitudes abusivas.

O professor ficou sabendo da organização do ato e chegou a ameaçar algumas alunas por meio de um aplicativo de mensagens de texto. Em um dos textos, ele é irônico e parabeniza pelo protesto. Depois diz que “a pessoa assuma as consequências”.

A aluna contou à TV Globo como o caso aconteceu: “Na hora do intervalo, eu estava com uma calça rasgada, que já tinha sido um pouco rasgada também na hora do meu treino. e eu fui entregar uma chave para a Coordenação junto com algumas amigas minhas. E lá a gente encontrou um professor, e a gente perguntou para ele onde era o Achados e Perdidos. Ele falou que não sabia, desconversou, e olhou pra minha calça e falou: ‘Nossa, essa sua calça’. E veio. Saiu de onde ele estava e rasgou mais a minha calça, do que já estava rasgada. E eu coloquei a mão e me afastei para ele não rasgar mais. Aí, no que eu me afastei, ele se aproximou de novo, passou a mão pela minha coxa e pegou, tipo, os pedaços de pano da minha calça e tentou juntar, continuou passando a mão na minha coxa”. Afirmou que se sentiu “constrangida e impotente” e que não conseguiu ter “uma reação na hora”, “não ter falado nada”. “Depois, quando eu me afastei dali com as minhas amigas, eu demorei uns cinco minutos para processar o que tinha acontecido e comecei a chorar”, conta.

O pai da adolescente afirma que a escola não entrou em contato com a família para falar sobre o episódio. “Em nenhum momento a escola entrou em contato comigo. Uma vez ela passou mal e me ligaram automaticamente. Desta vez, a minha filha sofreu assédio e não me comunicaram. É o lugar em que minha filha poderia estar segura, não é? Eu não vou tirar a minha filha daqui porque não é minha filha que tem que sair daqui, é o professor.”

No fim da tarde desta sexta, o Centro Paula Souza, que é responsável pela escola, determinou o afastamento do professor até que a apuração do caso seja concluída e reforçou que repudia todas as formas de assédio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.