O que eu sempre achei da televisão

Colunistas Márcio Torvano
E não custa lembrar…
Começou “A Fazenda” na Record. E eu torço sempre por aquele que o mimimi reclama ou tem ódio.
Já no SBT…

Vejo o “Triturando” falando que o Ratinho completa 22 anos no SBT. Parece que foi ontem. O cara já está na história. Gênio. Esse sim é gênio.

E que saudade do tradicional exame de DNA. Com brigas espetaculares.

Falando em SBT…

Quem deixou a emissora foi a jornalista Rachel Sheherazade. Profissional com opinião. Agradava uma turma, depois agradava outra (não necessariamente nessa ordem). Assim foi. O importante mesmo é que sempre teve opinião. Jornalista tem que ser assim. E eu respeito toda e qualquer opinião. Boa sorte para ela.

Estranho, mas eu ainda não consigo acompanhar “Escrava Mãe”, Record, como eu deveria. Acho que gostava mais de “A Escrava Isaura”.

Enquanto isso…

Lendo várias pessoas elogiando “Laços de Família” no “Vale a Pena Ver de Novo”, Globo. Engraçado esse povo que demora anos para reconhecer o valor das coisas.

Sobre jornalismo esportivo…

Eu jamais falaria que um jogador pode ou não jogar em um time porque certa vez fez uma piada ou uma gracinha. Tem que fazer piada mesmo. Eu adoro.

E sempre bom lembrar, jornalista esportivo tem que ser bem humorado. Acho muito bom. Gosto de todo e qualquer profissional da mídia que faz graça e informa ao mesmo tempo.

Mudando de assunto…

Sei que vão falar mal, mas essa fase de “Fina Estampa”, Globo, está ótima. Uma novela que diverte e não fica dando aula de antropologia.

Assistindo neste exato momento “Amor e Sorte”, Globo. O primeiro episódio contou com Fernanda Montenegro e Fernanda Torres. Sensacional. Já acho que foi o melhor de todos. Dona Fernanda Montenegro é patrimônio histórico.

Aproveitando…

Bom ver o saudoso Fernando Torres atuando em “Laços de Família”, “Vale a Pena Ver de Novo”, Globo. O ex marido de Fernanda Montenegro. Era ótimo.

Voltando para “A Fazenda”, Record…

Vejo neste exato momento que o cantor Biel está entre os participantes. Já torço por ele.

E minha saudade vai para…

O jornalista Luiz Carlos Alborghetti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *