Zoonoses e Combate a Dengue aumentam eficiência em Osasco

O Núcleo de Combate a Dengue e o de Controle de Zoonoses depois que foi transferido para a avenida Sport Clube Corinthians Paulista, 1881, no Jardim Das Flores fez uma ampla e importante reestruturação administrativa e melhorou seus resultados. O departamento deixou de cuidar de cachorros e gatos, o setor responsável agora é o de Bem Estar Animal. O Núcleo ficou responsável por pragas urbanas.

A Médica veterinária Magda Ferreira, a bióloga Josefa Maria e o coordenador geral da zoonoses Enoque Luz

No comando desses trabalhos estão o coordenador geral de zoonoses Enoque Luz, a médica veterinária Magda Ferreira Batista Pedroso e a bióloga Josefa Maria Lopes da Silva.
A Coordenação Técnica do Controle de Zoonoses é da veterinária Magda que está no local há 25 anos. “O meu setor previne o aumento de doenças de animais transmitidas paras os seres humanos. Quando evitamos uma doença, nós diminuímos um leito ocupado no hospital.”
O Núcleo de Controle de Zoonoses de Osasco cuida da vigilância e das doenças, como a raiva, as doenças transmitidas por vetores como a dengue, zika,  chikungunya, febre amarela e leishmaniose. O núcleo também cuida de controle de leptospirose. “Nós fazemos cordões sanitários em bocas de lobo para controlar a população de roedores, não tem como eliminar os ratos, o nosso trabalho conta muito com a ajuda da população para não jogar lixo nas ruas, rios e terrenos”, comenta Magda. Na questão da raiva, o Núcleo orienta os proprietários de animais que estão com a doença, além disso, o setor comandado por Magda Ferreira é responsável pela vacinação contra a raiva. “Em 2019 não aconteceu vacinação em cães e gatos pois o Ministério da Saúde não liberou as vacinas para os estados. Em São Paulo, o motivo alegado é que não temos transmissão de raiva de desde 1983. O que está transmitindo a raiva é o morcego.”

Terrenos com lixo e restos de obras são locais que proliferam todo tipo de praga urbana

Os escorpiões atualmente são problemas para as grande cidades, em Osasco não é diferente, o núcleo também faz um trabalho bem detalhado e minucioso contra eles. “Não tem veneno que elimine o escorpião, nós orientamos os moradores da cidade para evitar acumulo de lixo e procuramos escorpiões em galerias. Se nós encontramos, enviamos para o Instituto Butantan.”
De acordo com a veterinária, escorpião é endêmico. “Se sobrar um, ele se multiplica rapidamente, ele não precisa de macho para procriar. O escorpião se alimenta de baratas. Não adianta o veneno pois ele vai se afastar do local e ir em outras residências.” A população precisa colaborar, é necessário manter quintais e terrenos limpos.
De acordo com Magda, o trabalho da Zoonoses vai mais além, até mesmo com pessoas que acumulam lixos em casa, os famosos acumuladores. “Como tem muito lixo guardado nestas casas, existe a proliferação de mosquitos, ratos e escorpiões. A Promoção Social da prefeitura vai no local, retira a pessoa, a Secretaria de Obras limpa, e só depois, nós vamos no local para colocar veneno e evitar que vá para outras casas.”

Dengue

Em 2019, o Núcleo colocou 2160 telas em caixas d’agua na cidade de Osasco

Josefa Maria Lopes da Silva é bióloga e coordenadora técnica do Núcleo de Dengue e outras arboviroses de Osasco. Ela está no setor há 20 anosr. “O meu setor é de prevenção e acima de tudo de orientação a população.”
No caso da dengue existem algumas especificidades que precisam ser tomadas e que a cidade de Osasco segue à risca. “Nós temos uma meta de quatro visitas por ano em cada residência da cidade, temos que orientar e eliminar os criadouros. Nosso trabalho é de prevenção”, comenta a bióloga Josefa. Terrenos baldios, casas com plantas com pratinhos e piscinas com água limpa são os maiores criadouros da dengue. “Nós temos o mosquito na cidade, mas temos que eliminar os possíveis locais de proliferação. O ano de 2020 ainda está tranquilo com relação a isso.” A população precisa fazer o 156 e informar os locais que podem ter criadouros da dengue. “Lembrando que o inseticida (comprados em comércios) só funciona na hora, o melhor trabalho é a prevenção, o morador precisa nos ajudar.”

A zoonoses faz um trabalho minucioso e bocas de lobo e bueiros

O departamento faz também o telamento nas caixas d’aguas, os próprios funcionários da prefeitura colocam as telas. No ano que passou foram mais de 2160 caixas d’aguas teladas. Além disso, o Núcleo faz palestras em empresas e escolas.

Serviços
Núcleo de Zoonoses 3599 5088
Núcleo da Dengue 3696-4272

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here