Elaborando o luto

Colunistas Erica Rodrigues

Perder algo ou alguém, na maioria das vezes é um processo doloroso, entramos em um sofrimento, angústia, uma sensação que aquilo não vai passar.

Agora por conta da COVID-19, o luto tem ficado mais presente em nossa vida e muitas vezes sem o tempo necessário para iniciar a elaboração, já que no Brasil, o ritual de velar o ente querido, nos ajuda a entrar em contato com a perda e realizamos então a despedida.

Muito se fala sobre o tempo normal e patológico para elaboração do luto, não existe nenhuma comprovação de tempo “certo”, então o que te digo é: se você perdeu alguém recentemente, entenda que o sofrimento é natural, ele fará parte do processo, monitore suas emoções e seu humor, perceba se você começa a ter prejuízos sociais causados por esse sofrimento e se você perceber que sua vida parou por conta da perda, então é importante buscar ajuda para te auxiliar na elaboração.

Vou deixar aqui, as 5 fases do luto que foi identificado pela psiquiatra Elisabeth Kubler-Ross, caso você se enquadre em alguma delas, está tudo bem, tente perceber se você está migrando entre elas para que então a elaboração seja feita.

Fase 1) Negação

Seria uma defesa psíquica que faz com que o indivíduo acaba negando o problema, tenta encontrar algum jeito de não entrar em contato com a realidade seja da morte de um ente querido ou da perda de emprego. É comum a pessoa também não querer falar sobre o assunto.

Fase 2) Raiva

Nessa fase o indivíduo se revolta com o mundo, se sente injustiçada e não se conforma por estar passando por isso.

Fase 3) Barganha

Essa é fase que o indivíduo começa a negociar, começando com si mesmo, acaba querendo dizer que será uma pessoa melhor se sair daquela situação, faz promessas a Deus (caso seja essa sua crença).

Fase 4) Depressão

Já nessa fase a pessoa se retira para seu mundo interno, se isolando, melancólica e se sentindo impotente diante da situação.

Fase 5) Aceitação

É o estágio em que o indivíduo não tem desespero e consegue enxergar a realidade como realmente é, ficando pronto para enfrentar a perda ou a morte.

Vale ressaltar que a aceitação não significa que você não sentirá falta, que deixará de pensar na pessoa, que as vezes quando sentir um cheiro ou comer algo não lembrará dela, mas sim que apesar de tudo isso, sua vida seguirá.

Espero ter ajudado na reflexão desse momento tão difícil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *