Saído do kart e na 3ª temporada em carros, Diego de Osasco fecha 2020 com primeiro título

Capa Colunistas Esportes Márcio Silvio

Ele respira motor desde sempre porque tem a infância marcada nas pistas do kart, volante de acesso aos cockpits profissionais. Duas temporadas atrás, Diego Ramos deixava a categoria para o desafio em carros fechados – hoje com 18 anos, pagou a terceira temporada e festejando o primeiro título.

Sim, dá-lhe Diego de Osasco campeão: “Estou muito feliz, sem palavras. Só tenho de agradecer a Shell pela confiança, obrigado mesmo! É muito gratificante pelo ano que tivemos. Meu primeiro ano nos carros da HB20 e é totalmente diferente a tocada, com pilotos de alto nível.”

Ao aceitar o desafio do kart para carro fechado, ele aceitou endurecer o expediente e forçar nos treinos para se adaptar rapidamente a tudo, pois sabia da oportunidade.

Neste ano a estreia foi em Goiânia, quando os motores voltaram a roncar após a longa quarentena da pandemia. Em julho, Diego Ramos assinava o número 13 na Copa Shell HB20 promovida pela HRancing, torneio top de linha do motor nacional.

O piloto de Osasco assumia uma máquina com tração dianteira, motor 1.6 e pneus radiais, versão mais ousada que as dos anos anteriores. Além do mais, quando estreou no automobilismo em 2018, disputou na categoria Sprint Cup – mas já fazendo acontecer com o terceiro lugar; no ano seguinte foi para a Stock Light, terceiro também.

No entanto, na HB20 o ronco é outro, a aceleração é outra e o garoto mandou ver. Claro que a vida no kart dá toda moral para essa adaptação rápida – tricampeão brasileiro da categoria Supercadete em 2013, campeão da Júnior Menor em 2015 e da Júnior em 2017.

Na última corrida do ano em Interlagos, Diego ficou em 3° em uma bateria e segundo em outra.

Diego Ramos corre pela Academia Shell Racing desde 2016, quando ainda no kart. As duas temporadas no automobilismo foram tipo escola da Shell visando o HB20 de agora – carrão com tração dianteira e que exige pilotagem adulta.

Potências e pilotos de alto nível à parte, ele assumiu o volante e já cuidando de deixar tudo isso no retrovisor para faturar pódios e assumir a liderança. E quando se fala em pilotos feras, dois nomes se destacam no HB20 – André Bragantini Júnior e Raphael Abbate.

Duas semanas atrás em Interlagos e liderando o campeonato, para garantir o título ele precisava de pódios. Certo, então o garoto foi para prova de sábado (12) e marcou o terceiro lugar, resultado que encaminhava o troféu; no domingo fez uma corrida estratégica para o segundo lugar e partir para o grito de campeão.

Foi mesmo um jogo de xadrez em alta velocidade porque Diego de Osasco cuidava da pressão batida pelos concorrentes imediatos que colavam forte. Então, nada de arriscar ou tentar qualquer ousadia porque tudo o que ele precisava era cruzar a linha em segundo lugar. Ele manteve-se nessa pegada e no vácuo de Bruno Testa que liderava a prova – e foi uma chegada segundo a segundo com Testa cravando 1s398 à frente do osasquense.

Diego Ramos soube mostrar agressividade quando preciso e, nessa última prova, pilotou como veterano para o segundo lugar que vale o título da temporada. Esse garoto vem de uma longa estrada no kart, já apavora no automobilismo e sabe que está na velocidade certa rumo a pistas ainda mais poderosas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *