Você já ouviu falar em ansiedade coletiva?

Colunistas Erica Rodrigues

Tenho quase certeza que você já viveu ou conhece alguém que passou por uma ansiedade coletiva, quer ver? Segue na leitura!

Primeiro vamos definir um pouco o que é a ansiedade.

Ansiedade é a sensação de receio ou de apreensão de que alguma coisa irá acontecer, geralmente não tem uma causa evidente, ela nos traz alguns sintomas físicos como: taquicardia, sudorese, dores de barriga entre outros. Ela pode também ter algum motivo em específico, como: ficar ansioso para uma entrevista de emprego, a proximidade de uma viagem, casamento, nascimento de um filho etc. Vale ressaltar que nem toda pessoa que se considera ansiosa tem o transtorno de ansiedade, mas isso pode ser assunto para um próximo post.

Bom, agora pensando na ansiedade coletiva, ela geralmente aparece quando um grupo de pessoas estão enfrentando problemas similares, como, por exemplo, a greve dos caminhoneiros que tivemos em 2018.

Nesse caso a ansiedade começou a gerar insegurança nas pessoas, é possível perceber quando elas começaram a questionar: Será que teremos comida? E se faltar, como alimento meus filhos? E o combustível? Como vou trabalhar? Fazendo com que a maioria da população corresse aos mercados e postos de combustíveis para “garantir” a sua necessidade, gerando filas, falta de alimentos, falta de dinheiro nos caixas eletrônicos, intensificando ainda mais a ansiedade. E muitos daqueles que optaram em não ir, ficavam ansiosos por verem tantas pessoas agindo assim.

Quando algo do gênero acontece, precisamos nesse momento manter a calma, nos atentar apenas as matérias de jornais com credibilidade, não divulgar por grupos de redes sociais informações que não sabe se é verdadeira e se manter atualizado (a).

Ser analíticos e críticos em relação à situação é muito importante, assim diminui a possibilidade de entrar nessa ansiedade que tanto irá dificultar ainda mais o andamento dos seus dias.

Gostou desse post? Deixe um comentário.

Fique à vontade também para sugerir temas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *