Já esteve na A2, duas vezes vice-campeão da A3 e agora cai para a Segunda Divisão: a derrocada do GEO

Colunistas Esportes Márcio Silvio

Sábado passado no estádio Alfredo Castilho em Bauru, uma tarde que faz sangrar a história do Grêmio Esportivo Osasco. Décima quinta e última rodada da 1ª fase da Série A3 do Campeonato Paulista, a equipe perde de 1 a 0 do Noroeste, resultado que fecha a conta do GEO – rebaixado para a Segunda Divisão.

São doze anos de história e que agora vão para o piso do futebol. Lançado em 2007 como representante oficial da cidade, o Grêmio Osasco logo conquistaria a torcida com acessos seguidos e dois vice-campeonatos.

O clube foi criado no final de 2007, no ano seguinte estreava na Segunda Divisão e já beliscando acesso à Série A3. Sim, o novato GEO chega entre os quatro melhores em 2008 e sobe para a A3

Moçada show de bola e que manteve a pegada na 1ª Divisão, outra temporada de arrebentar mas, dessa vez, surpreendendo ao chegar à final. Sim, um feito que teve peso de medalha de ouro para Osasco, pois era um novato na A3 2009 e subindo para a Série A2 com a moral de vice-campeão. Mas não conseguiu se manter lá e em 2010 amargaria rebaixamento por uma campanha fraca – foram 15 derrotas, três empates e apenas uma vitória, 18 gols contra 46. Nada justifica, mas aquele GEO encarou a A2 na unha, sem nenhum patrocínio e, surpreendentemente, no abandono público.

De volta à A3, em 2011 faz um boa primeira fase mas para sucumbir na seguinte; em 2012 voltaria forte e para calar as chuteiras da crítica – GEO novamente vice-campeão da A3 e retornando à A2.

Nessa época o clube já sofria impactos da chegada do investidor Mário Teixeira, então um dos principais conselheiros do Bradesco e que em 2013 compraria o Audax para transformá-lo na principal marca, mantendo o GEO em segundo plano.

No entanto, naquela Série A2 o Audax ainda era da Capital, do Grupo Pão de Açúcar, e foi adversário do GEO que não passou da primeira fase. Já o Audax chegou às semifinais e carimbou acesso ao Paulistão; em setembro daquele ano seria comprado por Mário Teixeira.

Isso à parte, o Grêmio Osasco se garantia na A2 com o 11º lugar, 25 pontos. No entanto, na temporada 2014 sentiria o efeito Audax e não seguraria a barra, novamente rebaixado para a A3 como penúltimo colocado e para ficar nessa divisão até o apito final de sábado passado em Bauru.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *