Saúde Mental Pós Pandemia, como ficará?

Colunistas Erica Rodrigues

Uma coisa é fato, a pandemia veio sem bater na nossa porta, sem pedir licença e mudou a forma de nos relacionar com o mundo. Ela nos mostrou que aquele ritmo frenético que estávamos vivendo, de excesso de produtividade, trabalhar muito para produzir riqueza, ter que ser o(a) mais inteligente, o(a) mais bonito (a), ter o melhor carro, a melhor casa, nos adoece, e que de certa forma podemos sim, diminuir o ritmo, nos respeitar, nos entender e viver bem.

Infelizmente a pandemia deixará rastros, uma pandemia como a da COVID 19, a peste negra, varíola, cólera, gripe espanhola, não podemos esquecer também da primeira e segunda guerra mundial, sempre deixarão sequelas emocionais e não apenas socioculturais e econômicas como ouvimos falar com bem mais frequência.

As questões de saúde mental têm dois cenários nessa pandemia, o primeiro cenário já estamos vivendo, aumento do quadro de ansiedade e depressão já tem sido relatado em estudos psicológicos e psiquiátricos. O ritual do luto, que na nossa cultura é tão importante para elaboração da perda, infelizmente também não está acontecendo, fazendo com que os velórios sejam muito rápidos e sem tempo para despedida, o que leva as pessoas não terem a assimilação da perda.

O segundo cenário, virá quando a pandemia começar a diminuir, nossa vida começar voltar “ao normal”, porque por uns bons meses, fomos privados das relações sociais, de estar na rua, de se socializar de forma geral, deixando então a maioria das pessoas em segurança (menos violência) ao mesmo tempo ansiosas pelo o que virá pela frente. Acredita-se que teremos um aumento de quadros depressivos, ansiosos, transtorno de pânico, lutos prolongados, transtorno de estresse pós-traumático. Vale ressaltar que todas as questões emocionais são multifatoriais, ou seja, diversas causas e um dos fatores é o ambiente, e o momento que estamos passando pode favorecer, mas não é a única causa.

Então, se você perceber que sua tristeza, ansiedade, vontade de comer, medo de sair na rua, entre outros fatores emocionais estão em excesso e começaram a te prejudicar no dia a dia, não deixe de buscar ajuda, quanto antes você tiver apoio psicológico e psiquiátrico, melhor será sua saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *